6 de set de 2012

A HISTÓRIA DO ROCK capítulo 1: Blues - a origem



O tão famigerado Rock and Roll deu o ar da graça nos Estados Unidos no final dos anos 1940 e início da década de 1950. Era o som dos subúrbios começando a atiçar a juventude americana, negra e branca. E assim, o Rock se espalhou como uma verdadeira praga pelo resto do mundo a uma velocidade assustadora. No início as críticas eram, na maioria, negativas, e existia o estigma de incentivar o satanismo, o sexo e o uso de drogas. Suas origens imediatas remontam ao Blues, na verdade, à mistura do Blues com o Country e Rhythm and Blues (derivado do próprio Blues e do Jazz), além de algumas influências de outros estilos como a Folk Music e o Boogie Woogie (também derivado do Blues e Jazz). Mas, essencialmente, o Blues é a raiz do Rock e podemos citá-lo como o pai do Rock.

O Blues como ele é conhecido hoje, teve sua origem na África e migrou para os Estados Unidos da América através dos escravos. O Blues sempre esteve profundamente ligado à cultura afro-americana, especialmente aquela oriunda do sul dos Estados Unidos (Alabama, Mississipi, Louisiana e Geórgia), dos escravos das plantações de algodão que usavam o canto para embalar suas intermináveis e sofridas jornadas de trabalho. Porém, o conceito de Blues, só se tornou conhecido após o término da Guerra Civil quando sua essência passou a ser como um meio de descrever o estado de espírito da população afro-americana. Era um modo mais pessoal e melancólico de expressar seus sofrimentos, angústias e tristezas. A cena, que acabou por tornar-se típica nas plantações do delta do Mississipi, era a legião de negros, trabalhando de forma desgastante, sobre o embalo das canções, os Blues.

Em 1912, as primeiras músicas surgiram: Dallas Blues de Hart Wand e logo em seguida The Memphis Blues de W.C. Handy. Mas, o primeiro músico popular e específico de blues foi Charley Patton em meados da década de 20. Posteriormente, na mesma época, surgiram nomes como os de Son House, Willie Brown, Leroy Carr, Bo Carter, Blind Willie Johnson, entre outros. No início, a maioria das canções eram temas tradicionais de conhecimento geral como Catfish Blues e John The Revelator. Porém, na década de 30 surgiu o nome mais idolatrado do Blues: Robert Johnson. Ele teve uma vida curta e gravou pouquíssimas músicas entre 1936 e 1937, mesmo assim é considerado o primeiro grande clássico do Blues. O Delta Blues se destacava e o Blues dividia-se entre o Blues Rural e o Blues Urbano. Algumas mulheres também se destacaram como Ma Rainey e Bessie Smith, a grande voz feminina do Blues. A fusão com o Jazz trouxe o Boogie Woogie e rolavam as Big Band Blues.

Com o advento da eletrificação da guitarra e dos outros instrumentos no final dos anos 30, o Blues ganhou uma força tremenda e surgiu o formato tradicional para uma banda de Blues e posteriormente de Rock: o quarteto centrado na guitarra e acompanhado de voz, baixo e bateria. É claro que além desses, outros instrumentos como a gaita e o piano tiveram papéis extremamente importantes. T-Bone Walker foi o primeiro guitar hero por assim dizer e recai sobre ele grande parte da culpa da proliferação do Blues Elétrico no início dos anos 40. Após a segunda guerra o Blues ganhou sub gêneros regionais importantes até hoje como Chicago Blues, Memphis Blues, Detroit Blues, Texas Blues e New Orleans Blues e, dessa época, muitos nomes que influeciaram e influenciam o Rock até hoje são Muddy Waters, Willie Dixon, B.B. King, John Lee Hooker, Howlin’ Wolf, Jimmy Reed, Little Water, Sonny Boy Wiliiamson.

Em paralelo a esse período, o filho pródigo Rock’n’Roll iniciava sua carreira para se tornar o maior e mais influente estilo musical desde então, seguindo em paralelo e desenvolvendo novos estilos e sub gêneros até os dias de hoje, sofrendo constantes influências do Blues com o passar dos anos, mas isso fica pra os próximos capítulos.

Voltando ao Blues, artistas ingleses começaram a reparar e sofrer influências do Blues e os anos 60 trouxe novos artistas, tanto americanos (Taj Mahal, Buddy Guy, Otis Rush, Freedy King, Magic Slim, etc.) quanto ingleses (Alexis Korner, Cyrill Davies, Albert Lee, John Mayal, Yardbirds, etc.). Artistas antigos ganharam notoriedade e foram reverenciados pelos rockeiros de plantão como Jimmy Page, Eric Clapton, Jeff Beck, Ronnie Wood, Jimi Hendrix, The Rolling Stone, The Who, Janis Joplin, os irmãos Edgar Winter e Johnny Winter e muitos mais. Um derivado direto e mais pesado surgiu, o Blues Rock. Algumas banda e artistas tiveram grande destaque como: Canned Heat, Cream, The Allman Brothers, ZZ Top. Todos eles gravando músicas dos heróis do Blues.

Mas do meio dos anos 70 e início dos anos 80 o Blues passou uma fase de ostracismo até surgir o músico que, talvez tenha sido, a última grande estrela do Blues: Stevie Ray Vaughan. Ele gravou os antigos clássicos e compôs algumas obras primas no seu estilo próprio, vigoroso e virtuoso. A partir de então, novos músicos de todas as partes do mundo se identificaram com o Blues, trazendo um fôlego renovado e mostrando grandes trabalhos como Jeff Healey, Gary Moore, John Mayer, Johnny Lang, Derek Trucks, Chris Duarte, Larry McCray, Coco Montoya, Kenny Wayne Shepherd, Robert Cray, Robben Ford, Joe Bonamassa entre outros. Novamente o Blues assume seu lugar de destaque como o pai do Rock.

Nenhum comentário: